Taxa de câmbio:
RUB/BRL 0,0932
0,0006
RUB/INR 1,4092
0,01
RUB/CNY 0,1209
0,0009
RUB/ZAR 0,2893
0,0024
BRL/RUB 10,7503
0,0157
BRL/INR 15,1489
0,0221
BRL/CNY 1,2997
0,0017
BRL/ZAR 3,1086
0,002
INR/RUB 0,7096
0,0014
INR/CNY 0,0858
0,0001
INR/ZAR 0,2052
0,0002
INR/BRL 0,066
0,0001
ZAR/BRL 0,3219
0,0004
ZAR/RUB 3,4551
0,0039
ZAR/INR 4,8689
0,0056
ZAR/CNY 0,4177
0,0004
CNY/RUB 8,2715
0,0012
CNY/INR 11,656
0,0018
CNY/BRL 0,769
0,0014
CNY/ZAR 2,392
0,0014
Moscou -10 °C
Brasília 22 °C
Nova Deli 19 °C
Beijing -5 °C
Pretória 20 °C

19:00 O idioma da dança

O idioma da dança
19:00

O idioma da dança

A dança é um idioma que se entende sem tradução. Em cada episódio, Alexandr Kononov visita coreógraf...

16+

19:25 BRICS Inform

19:25

BRICS Inform

Reportagens nos locais dos acontecimentos, feiras e estreias, reuniões de alto nível. Matérias inter...

16+
O idioma da dança
01.12.2210:21 Sociedade
TV BRICS foi apresentada aos participantes do programa de estágio "InteRussia"
28.11.2216:21 Cultura
Primeiro filme da TV BRICS "Dostoievski Intercontinental" venceu o festival de cinema na África do Sul
26.11.2212:47 Sociedade
TV BRICS compartilha experiência de distribuição internacional de programas de viagens em fórum do BRICS+
 África do Sul
22.09.22 09:40
Sociedade

A enorme contribuição dos cientistas africanos na luta contra a COVID-19

Eles descreveram a introdução e a disseminação de variantes do vírus em tempo real

O lado positivo da pandemia de COVID-19 na África foi a rápida expansão da vigilância genômica em todo o continente e a maneira como isso permitiu que os cientistas locais descrevessem a introdução e a disseminação de variantes em tempo real.

Um estudo publicado esta semana na revista Science destaca a capacidade da vigilância genômica da África de dar um alerta precoce de infecções por meio da descoberta de novas linhagens e variantes, em particular, da variante beta e das diversas subvariantes da ômicron. Os resultados do estudo indicam também que a maioria das variantes da COVID na África foram trazidas do estrangeiro.

O estudo foi liderado pelos dois laboratórios que estabeleceram a rede de vigilância genômica na África do Sul, o Kwazulu-Natal Research Innovation and Sequencing Platform (KRISP) na Universidade de Cuazulo-Natal e o Center for Epidemic Response and Innovation (CERI), na Universidade de Stellenbosch, em estreita colaboração com o Centro Africano de Controle de Doenças, a divisão africana da Organização Mundial da Saúde (OMS) e 300 outras agências em todo o continente.

As primeiras ondas de infecções na África foram causadas principalmente por numerosas introduções de linhas virais vindas do exterior, principalmente da Europa. A variante alpha, que apareceu na Europa no final de 2020, causou infecções em 43 países com sinais de transmissão comunitária em Gana, Nigéria, Quênia, Gabão e Angola.

No que diz respeito a variante delta, a maior parte da introdução ocorreu através da Índia (72%), da Europa continental (8%), do Reino Unido (5%) e dos Estados Unidos (2,5%). As introduções de vírus delta também ocorreram entre países africanos.

No que diz respeito à ômicron, os resultados científicos indicam um grande número de reintroduções desta variante de volta à África. As informações são da Pretoria News, parceira da rede TV BRICS.

"A publicação destaca que o investimento contínuo para diagnóstico e vigilância genômica na África era necessário não só para combater a infecção por coronavírus no continente, mas também para estabelecer uma plataforma de enfrentamento às ameaças emergentes de doenças infecciosas endêmicas, como o ébola, o HIV/Aids, a tuberculose e a malária. Esses investimentos são cruciais para a preparação e resposta à pandemia e servirão à saúde do continente até o século 21”, afirmou o Dr. Yenew Kebede, chefe interino de vigilância de doenças e coleta de informações do Centro Africano de Controle de Doenças.

"O enorme salto que a África deu na vigilância genômica nos últimos dois anos é um lado positivo da pandemia de COVID-19", disse Matshidiso Moeti, diretor regional da OMS para a África.

"Agora, o continente está mais bem equipado para lidar com patógenos antigos e novos. Este é um exemplo de como podemos alcançar mudanças de longo prazo e estar um passo à frente de doenças perigosas", acrescentou.

Fotografia: unsplash.com

Оцените материал

MORE ON THE TOPIC

01.12.2218:18 Sociedade
EEC defende a criação de um sistema de pagamento único entre as nações do BRICS
01.12.2216:56 Sociedade
Índia assume Presidência do G20
01.12.2214:24 Sociedade
Sistema de pensões da África do Sul melhora sua classificação global
01.12.2212:27 Sociedade
Empresários dos países do BRICS terão acesso a plataforma de investimento coletivo
01.12.2210:21 Sociedade
TV BRICS foi apresentada aos participantes do programa de estágio "InteRussia"
30.11.2218:20 Sociedade
19º Congresso Mundial de Medicina Chinesa realizado em São Paulo
1 из
29.11.2218:18 Turismo
Nordeste da Índia, uma região única e inexplorada do país
22.11.2218:16 Sociedade
China continuará fortalecendo sua parceria estratégica com a África do Sul
17.11.2218:13 Sociedade
Especialista conta em quanto tempo novos países entrarão para BRICS