Taxa de câmbio:

Tempo:

Home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no Brasil

Home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no Brasil


Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou situação de pandemia pelo novo coronavírus, em março, empresas de todos os setores precisaram adaptar suas dinâmicas de trabalho às medidas de isolamento social. Adotaram o trabalho remoto, que não era realidade para 51% das companhias brasileiras até então. Após o choque inicial, 80% dos gestores disserem gostar da nova maneira de trabalhar, de acordo com pesquisa da ISE Business School. “Mudanças que ocorreriam em cinco ou dez anos já estão acontecendo”, disse Cesar Bullara, diretor e professor do departamento de gestão de pessoas do ISE.

Segundo ele, a nova realidade veio para ficar. Das empresas que ainda não adotavam o home office, 65% são de controle familiares e de capital nacional. Os outros 35% são multinacionais. Na visão de Amélia Caetano, consultora especializada em trabalho remoto no Instituto Trabalho Portátil, as multinacionais já estavam mais bem preparadas, principalmente do ponto de vista tecnológico, par essa realidade, enquanto as empresas nacionais tinham investido pouco nesse sentido. Para ela, eventos inesperados, como o coronavírus, têm essa capacidade de “antecipar” o futuro, informa o repórter de tvbrics.com com referência ao Estadão.

Segundo os dados do ISE Business School, a flexibilidade foi apontada como uma das competências mais desenvolvidas neste período – foi citada por 81% dos entrevistados. A habilidade só fica atrás da resiliência, a capacidade de superar dificuldades, mencionada por 82%. Outras características citadas foram autodisciplina e confiança, além da construção de uma relação mais francas entre chefes e equipes.

De acordo com a pesquisa, 60% dos entrevistados afirmaram que o home office ajudou a melhorar a eficiência e a produtividade. Apesar de os dados apontarem uma tendência positiva, Amélia ressalvou que as pessoas não estão em sua melhor fase de produtividade, pois a imprevisibilidade da pandemia traz angústia e dificuldade emocional. Esses fatores foram apontados como “altos” e “muito altos” das pessoas ouvidas pelo ISE. As empresas devem se preocupar em garantir que os funcionários encontrem um equilíbrio no home office.


Photo: pexels.com

Mais sobre o tema
Horta em casa ou no apartamento: uma boa adaptação às poucas visitas ao mercado
Exportações de suco de laranja do Brasil avançam 17% em 10 meses puxadas pela EU
Brasil vai exportar carne bovina para a Tailândia
Covid-19: ONU prevê queda da economia mundial de 3,2% em 2020
Mato Grosso tem recorde na venda de soja para exterior; China compra 54%
Luvas, cardápio plastificado e fim do self-service: as estratégias dos restaurantes para a futura reabertura
Mais