Taxa de câmbio:

Tempo:

AO VIVO

14:35 Agora no ar Checklist

Ver online
Checklist

14:35

Agora

Checklist

As baías de Sakhalin, as estepes infinitas de Elista, milhares de lagos de Altai e muito mais no pro...

Ver online
16+

15:00 A seguir no ar Scooter de chute

Scooter de chute

15:00

A seguir

Scooter de chute

Mesmo as viagens mais longas têm suas próprias normas. Quer compor o seu próprio guia de viagem espe...

16+
Бразилия
14 de janeiro de 2022 09:45

Lei que estimula a navegação entre portos nacionais é sancionada com vetos

Lei que estimula a navegação entre portos nacionais é sancionada com vetos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, com vetos, a Lei 14.301/2022, que cria o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem (BR do Mar). Esse programa libera, de forma progressiva, o uso de navios estrangeiros na navegação de cabotagem do Brasil, sem a obrigação de contratar a construção de embarcações em estaleiros brasileiros.

A lei foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) na última sexta-feira (7). Entre os itens vetados estão a recriação do Reporto (benefício tributário ao setor) e o limite mínimo para a quantidade de trabalhadores brasileiros nas embarcações. As informações são da Agência Senado.

A nova lei teve origem no PL 4.199/2020, projeto de autoria do próprio Executivo. O texto foi analisado e aprovado pelas duas Casas do Congresso Nacional — no Senado, o relator da matéria foi Nelsinho Trad (PSD-MS).

As empresas que se habilitarem ao BR do Mar perante o Ministério da Infraestrutura terão direitos e deveres. De acordo com o programa, as empresas poderão afretar uma embarcação a casco nu, ou seja, alugar um navio vazio para uso na navegação de cabotagem.

Depois de uma transição de quatro anos, o afretamento de navios estrangeiros será livre. Segundo o texto, após um ano da vigência da lei poderão ser dois navios; no segundo ano de vigência, três navios; e no terceiro ano da mudança, quatro navios. Daí em diante, a quantidade será livre, observadas condições de segurança definidas em regulamento.

O texto determina que as embarcações deverão navegar com a suspensão da bandeira de origem. A bandeira do país vincula diversas obrigações legais, desde comerciais, fiscais e tributárias até as trabalhistas e ambientais.

As empresas brasileiras de navegação também poderão operar com esses navios estrangeiros sem precisar contratar a construção de navios no Brasil ou ter frota própria.

O anúncio foi feito com referência ao diário TV CULTURA, o parceiro da rede TV BRICS.




Mais sobre o tema
OCDE formaliza convite para início da adesão do Brasil à organização
Ramaphosa: a ciência e a tecnologia desempenharão o papel fundamental na recuperação econômica
O governo sul-africano estreita as relações com o setor privado em tecnologia
O número de casos ativos da COVID-19 caiu na Índia
Embaixada chinesa na Rússia anuncia uma semana de eventos para marcar os Jogos Olímpicos
Administração de energia e banco agrícola da China assinam acordo para aumentar uso de energia limpa
Mais