Taxa de câmbio:
RUB/BRL 0,0932
0,0006
RUB/INR 1,4092
0,01
RUB/CNY 0,1209
0,0009
RUB/ZAR 0,2893
0,0024
BRL/RUB 10,7503
0,0157
BRL/INR 15,1489
0,0221
BRL/CNY 1,2997
0,0017
BRL/ZAR 3,1086
0,002
INR/RUB 0,7096
0,0014
INR/CNY 0,0858
0,0001
INR/ZAR 0,2052
0,0002
INR/BRL 0,066
0,0001
ZAR/BRL 0,3219
0,0004
ZAR/RUB 3,4551
0,0039
ZAR/INR 4,8689
0,0056
ZAR/CNY 0,4177
0,0004
CNY/RUB 8,2715
0,0012
CNY/INR 11,656
0,0018
CNY/BRL 0,769
0,0014
CNY/ZAR 2,392
0,0014
Moscou -5 °C
Brasília 18 °C
Nova Deli 10 °C
Beijing 3 °C
Pretória 24 °C

08:30 BRICS Inform

BRICS Inform
08:30

BRICS Inform

Reportagens nos locais dos acontecimentos, feiras e estreias, reuniões de alto nível. Matérias inter...

16+

09:05 Jogando limpo!

09:05

Jogando limpo!

A TV BRICS apresenta um projeto educacional de TV sobre preservação ambiental.

16+
BRICS Inform
24.01.2319:00 Sociedade
Podcasts da TV BRICS apareceram em Apple Podcasts
20.01.2317:30 Sociedade
TV BRICS conta sobre os eventos atuais na Província de Jilin na secção "Revisão de notícias da China"
18.01.2310:30 Sociedade
TV BRICS assina acordo com o Museu da Garagem para Fins Especiais do Serviço de Proteção Federal da Rússia
China  África do Sul Etiópia
11.11.22 18:17
Economia

Ligações entre China e África ajudam a realizar futuro comum

Ao longo dos últimos 15 anos, as empresas chinesas passaram a dominar os projetos de desenvolvimento da África

Durante 22 anos de sua existência, o Fórum de Cooperação China-África (FOCAC) contribuiu para o progresso da África em muitas áreas, incluindo comércio, economia, desenvolvimento de infra-estrutura e industrialização. O sucesso da FOCAC pode ser visto nos benefícios gerais e na maioria das conversas sobre a interação diplomática Sul-Sul.

De acordo com o Banco Mundial, a China continua seus esforços para impulsionar a industrialização da África, contribuindo com uma média de 12% para sua produção industrial.

Entre 2010 e 2019, a China foi o maior gerador de empregos na África, criando uma média de 18.600 empregos diretos por ano, sendo as vagas de emprego a melhor forma de combater a pobreza e promover o crescimento econômico nos países africanos.

De 2000 a 2012, a China apresentou formalmente 21 projetos só no Malawi, com projetos que vão desde uma subvenção de US$ 70 milhões para a construção da Rodovia Karonga-Chitipa que liga o Malawi à vizinha Zâmbia, até um empréstimo de US$ 80 milhões do Banco de Exportação-Importação da China para a construção de uma universidade de ciência e tecnologia.

Além disso, dois bancos de desenvolvimento estrangeiros chineses investiram US$ 23 bilhões em projetos de infra-estrutura na África, de acordo com o Centro para o Desenvolvimento Global. Este valor é 8 bilhões de dólares a mais do que as contribuições combinadas dos outros oito principais financiadores, incluindo o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento e instituições financeiras americanas e européias.

Ao longo dos últimos 15 anos, as empresas chinesas passaram a dominar os projetos de desenvolvimento da África.

Em 2020, por exemplo, as empresas chinesas foram responsáveis por 31% - 12% mais do que em 2013 - de todos os projetos de infra-estrutura na África, de acordo com a Deloitte, uma rede multinacional de serviços profissionais.

Especialistas dizem que, desde 2017, as empresas chinesas têm desempenhado um papel importante em áreas como o financiamento e o desenvolvimento de infra-estrutura importante na África.

Em 2017, a consultoria internacional estima que as empresas chinesas ganharam quase metade de todos os contratos de projeto, aquisição e construção no continente, incluindo aqueles financiados por organizações não chinesas, como o Banco Mundial. Um dos mais recentes projetos de infra-estrutura desse tipo é a estrada expressa de Nairobi, que foi aberta aos motoristas em maio deste ano.

Em 2016-17, havia mais de 10.000 empresas chinesas operando em países africanos, incluindo 920 na Nigéria, 861 na Zâmbia, 825 na Tanzânia, 689 na Etiópia, 608 na África do Sul, 396 no Quênia, 274 na Costa do Marfim e 248 em Angola. Estas empresas representam 500 bilhões de dólares do volume industrial da África e são todas administradas por investidores chineses.

Avaliando o sucesso e o impacto da FOCAC, o membro do Conselho de Estado chinês e Ministro das Relações Exteriores Wang Yi disse que o investimento direto chinês na África em 2019 totalizou mais de 49,1 bilhões de dólares, um aumento de quase 100 vezes desde 2000.

Além disso, o comércio China-África foi de 250 bilhões de dólares em 2021, 20 vezes mais do que em 2000. A China tem sido o maior parceiro comercial da África por 13 anos consecutivos e por muitos anos contribuiu com mais de 20% para o crescimento da África.

E no auge da pandemia da COVID-19 em 2020, a China foi o maior doador de fundos, drogas e equipamentos médicos da África e uma fonte de especialistas para ajudar os países africanos a combater o flagelo. As doações vieram do governo chinês, empresas e agências, incluindo empresas chinesas que operam na Nigéria e comunidades que vivem no país.

Os resultados das relações sino-africanas em todos os aspectos estão de acordo com a política da China de criar uma comunidade de um único destino para a humanidade. De acordo com o diário China Daily, parceiro da rede TV BRICS.

Fotografia: IStock


Оцените материал

MORE ON THE TOPIC

26.01.2319:00 Economia
Embaixador chinês define a cooperação RPC-África do Sul como frutífera
26.01.2313:31 Economia
O sistema econômico do BRICS
22.01.2312:00 Economia
Banco asiático de investimento em infraestrutura completa sete anos
19.01.2314:00 Economia
Presidente brasileiro aprova orçamento para 2023
19.01.2312:00 Economia
Índia e a Rússia construíram forte relação que resistiu ao teste do tempo
17.01.2317:00 Economia
Índia compra mais de um milhão de barris de petróleo por dia da Rússia
1 из
26.01.2313:31 Economia
O sistema econômico do BRICS
25.01.2314:00 Sociedade
O que é o BRICS e quais são os objetivos dessa aliança
20.01.2316:15 Sociedade
Diversificação das fontes de energia é a chave para um maior desenvolvimento do setor energético da China