Taxa de câmbio:

Tempo:

Na Rússia, cientistas desenvolveram tecnologia para rápida regeneração de tecido humano

Na Rússia, cientistas desenvolveram tecnologia para rápida regeneração de tecido humano

A Universidade Politécnica de Tomsk (UPT) desenvolveu uma tecnologia para acelerar o processo de regeneração de tecidos humanos danificados, reporta a TV BRICS.

Primeiramente, os cientistas da TPU criaram uma nova geração de cadeias de polímero, a partir do ácido polilático. As cadeias são estruturas para crescimento dos tecidos vivos. Eles podem ser usados na regeneração de tecidos em áreas de queimaduras e úlceras, bem como "cultivo" de novos órgãos humanos. As cadeias são feitas com auxílio de eletrofiação: extraem-se fibras de polímero finas a partir de uma solução, que fica sob ação de um campo magnético.

A nova tecnologia, à primeira vista, é simples. O futuro implante é colocado em uma solução com gelatina, em apenas cinco minutos a quantidade máxima de proteína é fixada nas fibras, especialmente preparadas para tal. Usando-se o método anterior, levava-se várias horas para se obter resultado semelhante.

Enquanto isso, as moléculas de proteína (gelatina) aceleram o processo de recuperação do tecido. As células aderem melhor ao material, se espalham e crescem nele. Além do mais, a gelatina fortalece significativamente a cadeia de polímero. Mais do que os benefícios indiscutíveis, ressalta-se ainda que a tecnologia não requer equipamento adicional.

"Nosso método é fundamentado no processamento de uma cadeia com uma mistura de solventes orgânicos, que se encontram em qualquer laboratório químico. Para implementação de outros métodos é indispensável ter dispendiosos equipamentos de plasma e reagentes”, disse Semen Goreninsky, engenheiro do laboratório da TPU para os sistemas híbridos de plasma.
A próxima etapa do trabalho dos cientistas é testar o novo método em animais.

Mais sobre o tema
Brasil terá centro avançado de inteligência artificial
Governo anuncia fundo para desenvolvimento de tecnologia no Brasil
Na Rússia, metalúrgicos "imprimem" peças em impressora 3D
China está preparando uma missão para pesquisar o asteroide 2016H03 e o cometa 133p
Cientistas da Rússia e da Índia criaram plásticos não tóxicos que se auto decompõem
Para ver centenas de milhões de estrelas e milhões de buracos negros
Mais