Taxa de câmbio:
RUB/BRL 0,0573
0,0000
INR/BRL 0,6189
0,0000
ZAR/BRL 2,7928
0,0000
CNY/BRL 0,7071
0,0000
EGP/BRL 1,0916
0,0000
AED/BRL 1,4007
0,0000
USD/BRL 5,144
0,0000
Tempo:
Moscou 15 °C
Brasília 21 °C
Nova Délhi 35 °C
Beijing 20 °C
Pretória 11 °C
Cairo 22 °C
Teerã 21 °C
Abu Dabi 31 °C
Menu
15 °C
Moscou
21 °C
Brasília
21 °C
Nova Délhi
20 °C
Beijing
11 °C
Pretória
22 °C
Cairo
21 °C
Teerã
31 °C
Abu Dabi
RUB/BRL
0,0573
0,0000
INR/BRL
0,6189
0,0000
ZAR/BRL
2,7928
0,0000
CNY/BRL
0,7071
0,0000
EGP/BRL
1,0916
0,0000
AED/BRL
1,4007
0,0000
USD/BRL
5,144
0,0000
TV BRICS Apps
Principal
Notícias
Vídeos
Menu
23.05.2410:30 Economia
TV BRICS reunirá gerentes de comunicações dos países do BRICS+ no Fórum Internacional de IT na Rússia
17.05.2411:45 Sociedade
Rede internacional TV BRICS foi apresentada em Xiamen, na China
16.05.2416:30 Sociedade
TV BRICS amplia iniciativas internacionais da Roskachestvo no espaço midiático do BRICS+
Rússia BRICS
17.04.24 18:30
Personalidades

Presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Rússia, Serguei Katyrin: especialistas esperam que o BRICS seja responsável por 90% do PIB global até 2050

O presidente da parte russa do Conselho Empresarial do BRICS falou sobre as perspectivas de desenvolvimento da associação


Serguei Katyrin nasceu em 1954 na região de Moscou. Formou-se no Instituto Automobilístico e Rodoviário de Moscou (MADI) e na Escola de Negócios Internacionais do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO) do Ministério das Relações Exteriores da Rússia. Participou ativamente da criação e do estabelecimento da Câmara de Comércio e Indústria Russa (CCI). Ele é presidente da CCI desde março de 2011. Katyrin também atua como presidente da parte russa do Conselho Empresarial do BRICS e da parte nacional do Conselho Empresarial da Organização para Cooperação de Xangai (OCX) em nome da Federação Russa.

Em uma entrevista exclusiva à TV BRICS, ele falou sobre como o papel do BRICS no cenário mundial crescerá devido à expansão do grupo.

Em 2024, a Rússia preside o BRICS, que já reúne 10 países. Quais serão as principais direções do grupo para este ano, dada a sua expansão?

Delineamos várias áreas que consideramos prioritárias durante nossa presidência. E, na reunião de negócios do Conselho, nossos colegas apoiaram nossos esforços. A primeira é, obviamente, a conectividade de transporte e logística dos países do BRICS. Sempre foi importante poder entregar cargas de forma rápida e barata.

O segundo é o financiamento. Uma das principais tarefas é criar um sistema de pagamento que possa ser usado por todos os países do BRICS, independentemente de outros países. Essa é uma questão muito séria. E atualmente estamos fazendo um grande progresso nessa questão: até 80% das liquidações mútuas são feitas em moedas nacionais.

A terceira é a inteligência artificial (IA). Hoje, as tecnologias baseadas nela estão presentes em todas as esferas de atividade. Até o momento, não há regras do jogo, nem normas para trabalhar com ela. Essa situação acarreta não apenas riscos éticos, mas também riscos físicos: na indústria, no transporte, na segurança pessoal e em muitas outras áreas. Portanto, é claro que um dos tópicos é desenvolver regras para trabalhar com IA que serão seguidas não apenas pelos países do BRICS, mas também por muitos países parceiros.

Como a expansão do BRICS afetará o trabalho do Conselho Empresarial em termos de conteúdo e organização? Haverá, por exemplo, novos grupos de trabalho? E, em caso afirmativo, quais?

Em termos das atividades dos grupos de trabalho, cada um deles apresentou o que fará durante o ano. Cada um deles tem um programa bastante rico. Os países que se juntarão ao BRICS em 2024 poderão formular suas propostas para a criação de novos grupos, e essas estruturas provavelmente aparecerão no ano seguinte. Não descarto que os novos países possam complementar seriamente a agenda que foi formada até agora. Acredito que as principais prioridades certamente serão apoiadas por todos, pois são importantes para todos.

Em sua opinião, o quanto o papel da associação no cenário mundial se fortalecerá após sua expansão?

Vou lhe dizer imediatamente em números. Em 2000, a participação do BRICS no PIB mundial era de 8%. Este ano, ela é de 26%. Em 2030, será de 30%. E em 2050, os especialistas esperam que a participação da associação no PIB global seja de 90%. Portanto, tire conclusões a partir disso. A partir de hoje, vemos uma dinâmica séria, estamos falando sobre a composição do BRICS a partir de 2024.

E se levarmos em conta o fato de que temos novos pedidos de adesão ao grupo (não tenho certeza se eles serão aceitos durante esta presidência, embora eu não descarte essa opção), fica claro que a participação dos países do BRICS no PIB global certamente aumentará.

Quais são suas expectativas em relação ao desenvolvimento das relações de comércio exterior dentro do grupo BRICS em um futuro próximo?

Atualmente, os países do BRICS detêm 40% dos hidrocarbonetos do mundo. É claro que isso representa influência e perspectivas. A primeira coisa que precisa ser feita para aproveitar todas as oportunidades, é claro, é remover as restrições tarifárias e não tarifárias no comércio exterior. Também é necessário melhorar a legislação alfandegária e a estrutura regulatória de forma multilateral. Obviamente, esse é o trabalho não apenas da liderança máxima dos países, mas também dos legisladores. E, naturalmente, os parlamentares também devem se esforçar para simplificar o comércio mútuo e a interconexão das economias do BRICS.

Como as nuances da legislação em diferentes países afetarão o desenvolvimento do comércio exterior? O que deve ser levado em conta?

Vale a pena levar em conta as restrições (tarifárias e não tarifárias) peculiares aos diferentes países. Elas existem em muitos países, por exemplo, a proibição do comércio de determinados produtos. Naturalmente, para superar quaisquer restrições, é necessário negociar. Não pode haver benefício unilateral. Há muito trabalho aqui para os governos, vários ministérios, agências e, é claro, legisladores.

Em sua opinião, que medidas devem ser tomadas para garantir que o comércio mútuo entre os países do BRICS cresça ainda mais rapidamente e que o clima de negócios dentro da associação continue a melhorar?

Devemos tentar remover as restrições o máximo possível e criar uma estrutura legal para expandir o comércio. Essa é a primeira coisa. Em segundo lugar, é claro, não devemos olhar apenas para as leis, mas também precisamos desenvolver a infraestrutura. O que usar para o transporte? E onde descarregar? E assim por diante.

É bom que a estrutura regulatória permita que você traga algo para o país do seu parceiro. Mas para onde levar? Onde será armazenado? Como será transportado? Quem processará o produto, se ele precisar ser processado? Se for comercializado, como será comercializado? Se for um equipamento complexo, ele deve passar por manutenção, devem ser criadas condições para peças de reposição e assim por diante. Portanto, você precisa de uma rede de revendedores. Portanto, há muitas questões relacionadas à expansão. Naturalmente, isso só pode acontecer se houver desejo e acordo mútuos.

Como, em sua opinião, o sistema de logística pode ser otimizado, considerando a distância entre os países membros da associação?

Há várias direções aqui, e nosso grupo de trabalho está trabalhando nisso. A primeira está relacionada ao desenvolvimento do transporte ferroviário. Já existem acordos nessa área: por exemplo, precisamos concluir uma parte dos 120 km de trilhos no Irã para tornar a ferrovia para a Índia totalmente operacional. A segunda direção é o desenvolvimento do transporte marítimo, incluindo nossa Rota Marítima do Norte, a organização de outros corredores de transporte e o uso geral do potencial de transporte de todos os países do BRICS. Há grandes oportunidades aqui. Precisamos negociar para que cada contêiner e cada carga passem o mínimo de tempo na fronteira.

Fale-nos sobre seu ponto de vista em relação às perspectivas de introdução de tecnologias de inteligência artificial na economia digital. Qual é a relevância disso?

Essa é uma das questões mais atuais para discussões, e não apenas no Conselho Empresarial do BRICS. É um tema sério relacionado às possibilidades da IA para a manufatura, a saúde, outros setores e a segurança dos indivíduos, do Estado, do transporte e assim por diante.

É um assunto sério. Na minha opinião, com certos acordos, seria possível encurtar o tempo para a introdução da IA em algumas esferas.

Como você acha que o sistema de liquidações em moedas nacionais dentro do BRICS se desenvolverá no futuro próximo? E qual é a sua atitude em relação ao uso de criptomoedas e ativos digitais em liquidações mútuas?

Quanto às liquidações em moedas nacionais, falei sobre isso anteriormente. A Duma russa aprovou recentemente uma lei que possibilita o uso de ativos digitais. Nós temos o rublo digital, os chineses têm o yuan digital. Acredito que as unidades digitais em outros países não estão muito distantes. Acho que as criptomoedas podem ser usadas no comércio com outros países. Quanto mais cedo chegarmos a um acordo com nossos colegas sobre os mecanismos de uso de ativos digitais, mais fácil será para nós. É claro que, se essas liquidações forem lançadas, muitos países do BRICS poderão usá-las, mas não todos.

O que o senhor espera que sejam os principais resultados da presidência russa do BRICS neste ano?

Estabelecemos metas bastante ambiciosas para cada grupo de trabalho e gostaríamos, é claro, que essas metas fossem alcançadas em cada uma das áreas. Isso se aplica a inteligência artificial, acordos mútuos, transporte, logística e assim por diante. Já criamos um subgrupo sobre transporte e logística. Esperamos que, no final, ele se transforme em um grupo separado da infraestrutura.

Temos ideias bastante sérias. Estamos satisfeitos com o fato de que, pelo menos na reunião de hoje, os membros do Conselho Empresarial de outros países nos apoiaram. Acredito que, com nossos esforços conjuntos, conseguiremos formular uma lista de propostas para a liderança dos estados, governos e parlamentos de nossos países em um futuro próximo. Essa é a principal tarefa.

Fotografia: TV BRICS

Curto
e direto ao ponto
Uma vez por semana, cobriremos as notícias dos países do BRICS
Ao clicar no botão "Assinar", você concorda com o processamento de dados pessoais

MAIS SOBRE O TEMA

20.05.2409:30 Personalidades
Presidente do Irã, Ebrahim Raisi, faleceu em acidente de helicóptero
19.05.2417:35 Personalidades
Helicóptero que transportava o presidente do Irã faz pouso forçado
17.05.2412:30 Personalidades
Presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Rússia, Serguei Katyrin: o principal desafio deste ano é a integração harmoniosa dos ‘países recém-chegados’ na agenda do Conselho Empresarial do BRICS
19.04.2411:18 Personalidades
Serguei Riabkov, vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia: o BRICS está avançando e estabelecendo um importante precedente
07.04.2415:15 Personalidades
Andrei Baklanov, chefe da Seção de Pesquisa dos países do Oriente Médio e Norte da África da Escola Superior de Economia da Universidade Nacional de Pesquisa, afirma que a influência da Arábia Saudita no mundo aumentará após sua adesão ao BRICS
29.03.2412:56 Personalidades
Serguei Lavrov: A Rússia convidará os parceiros do BRICS+ para a cúpula em Kazan
22.05.2413:15 Tecnologia
Cooperação entre a Rússia e a Etiópia no campo da ciência e tecnologia
17.05.2412:30 Personalidades
Presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Rússia, Serguei Katyrin: o principal desafio deste ano é a integração harmoniosa dos ‘países recém-chegados’ na agenda do Conselho Empresarial do BRICS
14.05.2415:15 Tecnologia
Impacto da inteligência artificial em diferentes setores
Curto
e direto ao ponto
Uma vez por semana, cobriremos as notícias dos países do BRICS
Ao clicar no botão "Assinar", você concorda com o processamento de dados pessoais