Taxa de câmbio:

Tempo:

São Paulo recebe Festival Internacional do Chocolate e Cacau

São Paulo recebe Festival Internacional do Chocolate e Cacau

Mais de 20 especialistas do Brasil e do mundo estarão na segunda edição do Chocolat São Paulo – Festival Internacional do Chocolate e Cacau, que acontece de 12 a 15 de março no Pavilhão da Bienal do Ibirapuera. O evento, considerado o maior do setor na América Latina, já tem 20 edições realizadas entre Bahia, Pará e São Paulo e reúne cerca de 70 expositores, sendo mais de 50 marcas de chocolate de origem, bean to bar, premium e gourmet.

Feito com cacau fino, selecionado, o chocolate bean to bar (da amêndoa à barra) tem conquistado cada vez mais adeptos no Brasil. Prova disso é a constante expansão de marcas de chocolate nesse nicho. Estima-se que atualmente haja mais de 150, a maioria delas usando cacau dos maiores pólos produtores do País: Pará e Bahia. Juntos, os dois estados são responsáveis por mais de 230 mil das 252 mil toneladas de cacau produzidas no Brasil no ano passado.

Com teor mínimo de 40% de cacau (contra os 25% das marcas de grandes indústrias) chegando até puríssimos 100%, os chocolates feitos a partir de amêndoas selecionadas são mais saudáveis, pois concentram maior quantidade de flavonóides, substâncias com poderosa ação antioxidante. Conforme recente estudo de pesquisadores italianos publicado no periódico Frontiers in Nutrition, esses flavonóides são capazes de gerar ganhos em atividades cognitivas como aquisição de memórias, atenção e raciocínio, informa o repórter de tvbrics.com com referência ao Mundo Lusíada.

Photo: mundolusiada.com

Mais sobre o tema
Países da América Latina se unem para evitar desabastecimento
Após recomendação do Ministério da Saúde, empreendedoras produzem máscaras de pano para gerar renda
RJ faz parceria com supermercados para compra de alimentos direto de pequenos agricultores
Aumento na demanda abre mais de 5 mil vagas em supermercados
Mercado de flores do DF adota novas alternativas para vender durante pandemia de coronavírus
Covid-19: cana, flores e algodão são os mais atingidos
Mais