Taxa de câmbio:

Tempo:

Com Leilão do Pré-sal, Brasil pode entrar nos Top5 do Petróleo

Com Leilão do Pré-sal, Brasil pode entrar nos Top5 do Petróleo

O megaleilão do excedente da cessão onerosa, marcado para esta quarta-feira (6), deverá garantir uma arrecadação bilionária aos cofres públicos. Pode também acelerar o desenvolvimento do potencial petrolífero brasileiro. O governo prevê que a produção de petróleo e gás poderá dobrar na próxima década, o que colocará o Brasil entre os cinco maiores produtores do mundo, informa o repórter de tvbrics.com com referência a G1.

A União espera arrecadar R$ 106,5 bilhões com a oferta de quatro áreas do pré-sal, na Bacia de Santos. Trata-se do maior leilão de óleo e gás já realizado no mundo em termos de valor de arrecadação de bônus de assinatura (o valor que as empresas pagam pelo direito de exploração).

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) estima que existam entre 6 bilhões e 15 bilhões de barris de óleo equivalente excedente na área – praticamente o triplo dos 5 bilhões de barris originais concedidos na área à Petrobras em 2010 e equivalentes ao dobro das reservas atuais da Noruega (7,7 bilhões de barris).

Depois de praticamente cinco anos de estagnação, a produção de petróleo e gás voltou a entrar em trajetória de crescimento em 2019 e está próxima de romper o patamar de 3 milhões de barris diários, segundo dados da ANP. Em agosto, atingiu 2,989 milhões de barris, novo recorde mensal. Com o excedente da cessão onerosa entrando na conta, a ANP estima que até 2030 a produção possa chegar a 7,5 milhões de barris por dia, com o número de plataformas em operação saltando de 106 para 170.


Mais sobre o tema
Brasil bate recorde nas exportações de café solúvel no último ano
Empresas investem em produtos e cenários para clientes postarem nas redes sociais
Na rotina das padocas, são os padeiros que movimentam a cidade
Mais de 13 milhões devem fazer compras de Natal de última hora, diz pesquisa
Brasil elevará exportação de soja em 2020
Ocupação de hotéis no Rio para o final do ano já chega a 75%
Mais